Ouça agora na Rádio

N Notícia

Agora o mundo sabe – existe uma reação 10 vezes mais poderosa que fusão termonuclear

FOTO: CC0 / Engin_Akyurt / Abstrato

Agora o mundo sabe – existe uma reação 10 vezes mais poderosa que fusão termonuclear

Sputnik News Brasil

 

Trata-se de um processo parecido com as reações termonucleares produzidas no núcleo do Sol ou outras estrelas, mas capaz de produzir uma quantidade de energia enorme.

Até o momento, as reações mais poderosas conhecidas, em termos de geração de energia, eram as fusões nucleares e termonucleares. Estes processos têm lugar quando vários núcleos atômicos de carga similar se unem e formam um núcleo mais pesado.

 

Agora, de acordo com a declaração publicada na revista científica Nature, poderia haver algo ainda mais poderoso.

Os cientistas descobriram que durante a colisão de "quarks" (moléculas subatômicas, chamadas "partículas beleza") pode se libertar mais energia que durante a fusão nuclear. Os 'quarks' são os constituintes fundamentais da matéria, que se combinam de maneira específica para formar partículas parecidas como prótones e nêutrones.

Recentemente foram encontrados sinais da existência de partículas ainda menores de que os "quarks": "tetraquarks" e "pentaquarks".

Ao estudá-las, os cientistas revelaram que eles se formam durante as colisões de partículas elementares instáveis. Este processo ocorre durante uma fase análoga às reações termonucleares que têm lugar no núcleo do Sol e outras estrelas. Mas o fato mais importante é que durante esse processo produz-se uma maior quantidade de energia do que no Sol.

 

"As colisões de 'tetraquarks' dão como resultado a libertação de aproximadamente 200 megaeléctron-volts de energia, o que é aproximadamente 10 vezes mais que a geração de reações termonucleares", informou Herald Miller, professor da Universidade de Washington.

Além disso, ele acrescentou que até o momento não há aplicação prática para essas reações.

No entanto, com o recente descobrimento, o risco que uma reação semelhante possa ser usada na criação de uma nova e poderosa arma é mínimo, pois esse processo ainda não está suficientemente estudado.

FONTE: SPUTNIK NEWS BRASIL
Link Notícia