Ouça agora na Rádio

foto-locutor

Buscando...

Buscando...

Locais/Regionais

Compartilhe agora

Paraná tem um município em epidemia e oito em alerta para a dengue.

Postado em 28 de maio de 2020 por

img-page-categoria

*Fonte imagem : Paraná tem um município em epidemia e oito em alerta para a dengue.*


Agência Estadual de Notícias

São 100 casos a mais que na semana anterior. As 22 Regionais de Saúde do Estado apresentam notificações. O Paraná soma 4.084 notificações.

O município de Inajá (Noroeste) está em situação de epidemia de dengue, de acordo com o Boletim Epidemiológico divulgado nesta terça-feira (24) pela Secretaria de Estado da Saúde. Segundo cálculo da secretaria, a incidência acumulada desde o final do mês julho na cidade aponta 322,27 casos por 100 mil habitantes. São dez casos autóctones confirmados. Outros oito municípios paranaenses estão em situação de epidemia – Uraí, Santa Izabel do Ivaí, Florestópolis, Jesuítas, São Carlos do Ivaí, Floraí, Indianópolis, e Flórida.

“O combate à dengue deve ser feito diariamente e precisamos da participação ativa da população na eliminação dos criadouros do mosquito transmissor da dengue”, destaca o secretário estadual da Saúde, Beto Preto. “Os municípios estão aplicando várias estratégias de combate à proliferação do mosquito, mas o apoio de cada paranaense é fundamental na luta contra a dengue”. Ele reforçou que é essencial deixar os quintais e terrenos livres de recipientes que acumulam água e lixo.

O boletim semanal registra 454 casos confirmados da dengue no Estado. São 100 casos a mais que na semana anterior. As 22 Regionais de Saúde do Estado apresentam notificações. O Paraná soma 4.084 notificações. Os dados são referentes ao monitoramento realizado entre 28 de julho de 2019 até esta segunda-feira (23 de setembro).

As informações relacionadas ao controle vetorial comprovam que 77,5% dos criadouros estão nos imóveis comerciais e domiciliares, em recipientes que acumulam água parada, como vasos de plantas, garrafas, plásticos, sucatas, materiais de construção, fontes ornamentais, entre outros. “Temos bastante preocupação em relação à mudança da estação. A primavera indica dias quentes e chuvosos, clima propício para o aumento do número de criadouros e de pessoas contaminadas, caso não intensifiquemos as ações preventivas de eliminação dos focos”, destaca a coordenadora de Vigilância Ambiental da secretaria, Ivana Belmonte.

Segundo ela, o ciclo do mosquito é rápido. “Entre deposito do ovo pela fêmea do mosquito, à transformação em larva e, depois em mosquito, o período é de apenas uma semana. Basta deixar água parada acumulada para que o mosquito se prolifere”.

CHIKUNGUNYA – O boletim mostra ainda dois casos confirmados de chickungunya no Estado, nos municípios de Araucária e Maringá. São casos importados, ou seja, as pessoas adquiriram a doença passando por outras regiões do país. Um foi contraído em Arapiraca, estado de Alagoas, e o segundo em João Pessoa, na Paraíba

Agência Estadual de Notícias

Link da Notícia

Deixe um comentário

Ao enviar um comentário você concorda com nossas politicias de comentários, saiba no link ao lado. política de comentários