NOTÍCIAS


Após Câmara de Maringá rejeitar projeto de lei, organizações se reúnem e criam conselho independente pelos direitos LGBTI+



Sem vínculo com o poder público, movimento é formado por coletivos, grupos de estudo e outras entidades da sociedade civil. Bandeira LGBT Pixabay Maringá, no norte do estado, passou a contar com o Conselho Maringaense dos Direitos da População LGBTI+, iniciativa sem vínculo com o poder público municipal. A entidade foi criada no dia 17 deste mês, pouco tempo após vereadores rejeitarem, em setembro, um projeto de lei da prefeitura que pretendia criar um órgão com o mesmo objetivo. Segundo informações da organização, o conselho reúne 15 entidades, entre elas, coletivos e grupos de estudos. A primeira presidente é a advogada Franciele Lopes Rocha. “Segundo levantamento da própria prefeitura de Maringá, mais de 67% das pessoas LGBTI+ da cidade já foram vitimas de algum tipo de discriminação em razão da orientação sexual ou de identidade de gênero. Para mudar essa realidade, os movimentos sociais construíram, de maneira coletiva, o Conselho Maringaense dos Direitos da População LGBTI+”, explicou a presidente. Segundo Franciele, o conselho tem como objetivo encaminhar denúncias de violação de direitos, propor políticas públicas e fiscalizar a atuação do poder público para criação de mecanismos de enfrentamento da LGBTfobia. Leia mais 38% das empresas têm restrições para contratar LGBTQI+, diz pesquisa; ‘preconceito velado’, relata mulher trans Paranaenses criam robô que monitora projetos de lei da causa LGBTQI+ em rede social Conselho LGBTI+ é criado em Maringá Vídeos mais assistidos do g1 PR: Veja mais notícias da região em g1 Norte e Noroeste.

Fonte: G1


21/12/2021 – Rota do Sol FM

SEGUE A @ROTADOSOLFM

(45) 3287-1475

rotadosolfm@hotmail.com
Boa Vista da Aparecida – PR
Rua Celmo Miranda, 802 – Alto da Colina

NO AR:
SUCESSOS DA TARDE