NOTÍCIAS


Com contrato emergencial, nova empresa assume operação do ferry-boat de Guaratuba a partir desta quinta-feira (10)


A administração do ferry-boat de Guratuba, no litoral do Paraná, tem uma nova empresa responsável pelo serviço a partir da 0h01 desta quinta-feira (10). A travessia passa a ser operada, agora, pela INC Internacional Marítima. Veja, abaixo, detalhes sobre a empresa.

A medida é um contrato emergencial realizado pelo Governo do Paraná e foi anunciada nesta quarta-feira (9) depois de uma mudança no posicionamento do governo, que descartava uma rescisão de contrato com a atual concessionária estava descartada antes do final do verão.

Com a contratação efetivada, conforme o governo, o estado declarou também a caducidade de contrato com a BR Travessias após descumprimento de obrigações da empresa.

Foram 141 autuações aplicadas pelo governo estadual contra a empresa desde o começo de abril de 2021, quando a BR Travessias assumiu o serviço com contrato previsto de 10 anos.

  • Balsa fica à deriva, e passageira desabafa: ‘Dois sentimentos, revolta e medo’
  • Atracadouro de ferry-boat afunda, e concessionária é autuada por falta de esclarecimentos

O início das operações da empresa foram marcados por aumento de 20% na tarifa e demora na travessia, além de problemas como o afundamento de um flutuante e também uma balsa à deriva.

  • Com nova operadora, tarifa do ferry-boat de Guaratuba aumenta para R$ 8,90
  • Após troca de operadora, usuários reclamam de filas de mais de duas horas no ferry boat

O g1 tenta contato com a empresa.

A empresa INC Internacional Marítima faz a travessia entre Salvador e a Ilha de Itaparica, na Bahia. Segundo o DER, a companhia atua há mais de 30 anos de mercado.

O contrato será emergencial, com prazo máximo de duração de seis meses, até a abertura de uma nova licitação. Haverá uma fase de transição.

As empresas interessadas na gestão da travessia puderam apresentar propostas até terça-feira (8), inclusive com vistorias nas instalações do ferry-boat. Venceu a proposta com a melhor tarifa e condições para executar a operação, segundo o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PR).

  • Guaratuba decreta calamidade pública pela 2ª vez por problemas com ferry-boat; DER abriu processo administrativo contra concessionária
Fila de motoristas no acesso ao ferry-boat de Guaratuba chegou a 1 quilômetro, neste sábado (8) — Foto: Reprodução/RPC

Fila de motoristas no acesso ao ferry-boat de Guaratuba chegou a 1 quilômetro, neste sábado (8) — Foto: Reprodução/RPC

Autuações BR Travessias

Na última quinta-feira (3) uma decisão da Justiça determinou que a BR Travessias realizasse no prazo de 20 dias “intervenções necessárias para manter a segurança de toda a operação”, sob pena de multa diária de R$ 50 mil.

A medida foi uma resposta à ação ajuizada pelo Departamento de Estrada e Rodagem do Paraná (DER) em conjunto com a Prefeitura de Guaratuba.

Os órgãos entraram na Justiça no dia 1º de fevereiro após avaliarem que “as tratativas administrativas referente às intervenções nas respectivas estruturas foram esgotadas e não tiveram êxito”.

  • Vídeo mostra embarcação empurrando balsa carregada de veículos para auxiliar travessia, em Guaratuba
  • Balsa carregada com veículos sai da rota e é arrastada após erro de manobra durante travessia, em Guaratuba

Além dos problemas operacionais, a BR Travessias também foi autuada no início do mês pela Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná (Agepar) por falta de esclarecimento de informações técnicas requisitadas sobre o serviço.

A situação foi em decorrência de uma investigação iniciada pelo órgão ainda em outubro do ano passado depois de problemas registrados na travessia.

O anúncio da empresa BR Travessias, como responsável pelo ferry-boat, foi divulgada no começo de abril de 2021. Junto disso também veio o aumento da tarifa, que ficou 20% mais cara.

Menos de duas semanas após a mudança da empresa, os usuários da travessia começaram a reclamar de transtornos e filas quilométricas diárias. Segundo usuários do transporte, o tempo para conseguir embarcar chegava a mais de duas horas e meia.

Após os relatos, a Agepar solicitou informações ao DER-PR. Desde então, a situação vem sendo acompanhada e, pelas informações dos usuários, não havia mudado.

Usuários ainda reclamaram da falta de sinalização, informação e organização no atendimento.

Vídeos mais assistidos do g1 PR:



Fonte: G1


09/02/2022 – Rota do Sol FM

SEGUE A @ROTADOSOLFM

(45) 3287-1475

rotadosolfm@hotmail.com
Boa Vista da Aparecida – PR
Rua Celmo Miranda, 802 – Alto da Colina

NO AR:
CONEXÃO 107