NOTÍCIAS


De Curitiba, primeira advogada trans a subir na tribuna do STF relembra vivências: ‘Tentaram me exorcizar aos 15’


“Minha família me chamou e perguntou ‘O que você tem? Não tem vergonha desse teu jeito de viadinho?’ [SIC]. E eu disse ‘Não sou um viadinho, eu sou uma mulher’. Aí tentaram me exorcizar aos 15 anos […] Depois daquilo eu decidi representar um papel. E assim foi durante muitos anos”.

Esta é uma das lembranças de Gisele Alessandra Szmidt e Silva, de 52 anos, advogada de Curitiba e a primeira mulher transexual a fazer uma sustentação oral na tribuna do Supremo Tribunal Federal (STF), em 2017.

Gisele Szmidt se formou em direito em 2010 — Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

Gisele Szmidt se formou em direito em 2010 — Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

Na época, Gisele era uma das advogadas que defendiam, pelo Grupo Dignidade, de Curitiba, a legalidade da mudança de nome de transexuais no registro civil sem a necessidade de cirurgia para mudança de sexo.

  • Grupo do Paraná acolhe pais de LGBTQIA+ e ajuda a entender processo da diversidade sexual

No processo, ela foi a última advogada a fazer sustentação oral defendendo que o estado não poderia condicionar a mudança de nome à realização da cirurgia, considerada invasiva e com procedimentos que não são cobertos pela rede pública de saúde.

Quase um ano depois, em março de 2018, o STF decidiu pela legalidade do pedido.

“Mais que a ausência de modificações corporais, eu defendi, desde o começo, que para mudança do registro não deveria ser necessário sequer um processo. É a nossa autonomia. E os demais advogados que defendiam a causa não tocavam neste ponto, mas eu me preparei para isso. Defendi até o fim a mudança apenas na manifestação da vontade”, lembrou.

Para chegar onde está hoje, Gisele lutou contra tudo – inclusive, contra ela mesma. Afinal, aos 15, mesmo tendo consciência de que era uma mulher, optou por esconder-se para sobreviver.

Segundo dados da Associação Nacional de Travestis e Transsexuais (Antra), mesmo com uma queda de 20% no assassinato de pessoas transgênero no último ano, o Brasil permanece como o país com a maior taxa de mortes de pessoas trans no mundo.

  • Entre 2019 e 2020, Paraná teve 400 registros de crimes de ódio a LGBTs, aponta dado da Sesp
  • 38% das empresas têm restrições para contratar LGBTQI+, diz pesquisa

Das 140 vítimas em 2021, segundo a Antra, 135 eram travestis e mulheres trans.

“Na infância, eu era uma criança muito espera, inteligente, ia bem no colégio. Mas quando eu estava na sexta série, um professor de educação física me colocou o apelido de ‘florzinha’. A partir daí a minha vida se tornou um inferno. Me tornei alvo constante de agressões. Aquela criança que aprendia rápido começou a ter problemas para ficar na sala. Isso prejudicou meu desenvolvimento social”.

Gisele é advogada do Bloco PT-PV na Câmara de Vereadores de Curitiba — Foto: Divulgação/Arquivo pessoal/Nina Zambiasi.

Gisele é advogada do Bloco PT-PV na Câmara de Vereadores de Curitiba — Foto: Divulgação/Arquivo pessoal/Nina Zambiasi.

Gisele iniciou a transição aos 35 anos, quando estava na faculdade de direito.

Ela lembra que, quando começou a fazer procedimentos estéticos para chegar mais perto do seu verdadeiro eu, ainda vivia com ajuda da família, que repudiava sua identificação como mulher.

“Uma hora eu pensei ‘Ou eu vivo, ou fico representando a vida inteira’. Foi uma transição tardia, porque fiquei muito tempo escondida […] E a transição nada mais é do que a realização de procedimentos que te deixem mais perto das características do gênero que você se identifica. E muitos destes procedimentos são feitos de maneira totalmente clandestina, porque não há suporte. Algumas operações causam sequelas para a vida”.
  • Professor trans conta sobre transição de gênero dentro de comunidade muçulmana: ‘Tirar o lenço foi ponto crucial’

O término da transição, aos 40, foi marcado por uma série de outros encerramentos na vida. Sua mãe, que enfrentava um câncer e era cuidada pela então bacharel, faleceu – ainda sem aceitar Gisele.

A família, pouco tempo depois, cortou relações com a hoje advogada. E diante dos problemas, ela só viu uma solução:

“Vou fazer valer meu curso de direito”.

Gisele foi aprovada em meados de 2014 no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), após fazer um cursinho online e estudar de segunda a segunda. A partir daqui, ela passou a desbravar lugares nunca antes acessados por mulheres trans, como

  • Primeira advogada trans da região sul do Brasil
  • Primeira assessora parlamentar trans na Assembleia Legislativa do Paraná
  • Primeira assessora parlamentar trans na Câmara Municipal de Curitiba (Bloco PT/PV)
  • Primeira advogada trans a fazer sustentação oral no STF
Gisele e ministro Luís Roberto Barroso na Universidade de Harvard, durante palestra em 2018 — Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

Gisele e ministro Luís Roberto Barroso na Universidade de Harvard, durante palestra em 2018 — Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

“Ainda tem um abismo pra gente ser inserida em um contexto social, relacionada a trabalho, a namoro, casamento […] O que nós precisamos é de ferramentas de combate à transfobia. E isso na vivência trans não acontece. Somos rotineiramente fetiche, excluídas e até impedidas de usar o banheiro. É uma luta por dignidade”.

Vídeos mais assistidos do g1 PR:



Fonte: G1


29/01/2022 – Rota do Sol FM

SEGUE A @ROTADOSOLFM

(45) 3287-1475

rotadosolfm@hotmail.com
Boa Vista da Aparecida – PR
Rua Celmo Miranda, 802 – Alto da Colina

NO AR:
SANTA MISSA