NOTÍCIAS


Família leva campo para cidade ao cultivar pomar no quintal de casa, em Curitiba | Caminhos do Campo


A poucos minutos do centro de Curitiba, Lauro Krinski e sua família cultivam e vendem mudas de árvores frutíferas para os moradores da região.

Localizado no bairro Campo Comprido, o produtor encontrou no quintal de casa uma oportunidade de negócio que seria mais facilmente encontrada em cidades do interior.

O pomar, com mais de oitenta variedades, é cuidado diariamente por Lauro. A água recolhida da chuva é distribuída de regador, e cada planta recebe um adubo ou terra específicos para, depois, serem vendidas.

A venda de mudas frutíferas começou há dez anos. Hoje, o estoque Lauro tem de 1100 a 1200 plantas. Tudo isso, no quintal de casa, onde ele nasceu e cresceu.

“Era uma região de muitas chácaras, muitos colonos que tinham por aqui. Então a gente se criou como se fosse no interior. E desde pequeno no meio das plantas e já fui me interessando por fruta, sempre gostei. Pai trazia muitos enxertos, plantava muita fruta, e daí que surgiu o interesse”, conta.
Lauro Krinski e sua família cultivam e vendem mudas de árvores frutíferas para região de Curitiba — Foto: RPC

Lauro Krinski e sua família cultivam e vendem mudas de árvores frutíferas para região de Curitiba — Foto: RPC

Por mês, são vendidas de duzentas a trezentas mudas frutíferas, compradas de outros produtores. Até 2018, ele se dividia entre o trabalho de motoboy e o cuidado com o pomar.

Quando a moto foi furtada, ele resolveu focar no trabalho em casa, que está crescendo. Entre as mudas, estão algumas bem conhecidas como de laranja, jabuticaba, manga, maçã e pêssego.

Outras, são um pouco diferentes do habitual, como a laranja parreira, que cresce se apoiando em estruturas, como as uvas. Tem mudas que vieram de estados distantes, por exemplo, Pitangatuba – do Rio de Janeiro – e a falsa graviola, da Floresta Amazônica.

Da mesma região, é a Guabiroba Amazônica, que até a folha é maior. E a Pitanga do Cerrado, que dá em um pé mais baixo. O Cajá-manga, mais comum nas regiões norte e nordeste do Brasil.

No sul do país, por conta do frio, o fruto demora um ano para amadurecer.

Lauro pensa em ampliar o negócio, mas quer continuar vendendo as mudas no mesmo terreno. E isso envolve a qualidade de vida que tem no meio da correria de uma metrópole.

“Você levanta cedo, já vê as plantinhas, vai molhar, cuidar. É estar em contato com a natureza, uma coisa saudável. Descanso para a cabeça, tira o estresse”, finaliza ele.

Vídeos mais assistidos do g1 PR:



Fonte: G1


25/09/2022 – Rota do Sol FM

SEGUE A @ROTADOSOLFM

(45) 3287-1475

rotadosolfm@hotmail.com
Boa Vista da Aparecida – PR
Rua Celmo Miranda, 802 – Alto da Colina

NO AR:
CONEXÃO 107