NOTÍCIAS


Jogador paranaense comemora chegada ao Brasil após fugir da guerra na Ucrânia: 'Graças a Deus conseguimos sair de lá com vida'


O zagueiro paranaense Vitão, do time Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, comemorou a chegada ao Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, na noite de terça-feira (1º), após ter deixado Kiev, a capital ucraniana, em meio à guerra do país com a Rússia.

Procurado pelo g1, o jogador disse que ficou desesperado porque estava com o filho Miguel Eduardo, de três meses de idade, e com a esposa, Camila Souza.

“Graças a Deus agora estamos bem. Foram dias muito difíceis, que não sabia quando iriam passar ou se iriam passar. […] Realmente foram dias muitos difíceis, mas graças a Deus conseguimos sair de lá com vida. Agora é orar pelos que ficaram”, disse.
  • Quem é quem na crise entre a Rússia e a Ucrânia
  • Acompanhe ao vivo pelo g1 as notícias do ataque

Segundo Vitão, ele ficou com medo do bebê passar fome, frio e sentir dor, pois o leite, as fraudas e alimentos estavam acabando na cidade.

O casal e o filho deixaram a Ucrânia no sábado (26). Para retornarem ao Brasil, eles precisaram seguir para a Romênia e, depois, para a França.

Vitão, a esposa Camila e o filho Miguel voltando ao Brasil — Foto: Arquivo pessoal

Vitão, a esposa Camila e o filho Miguel voltando ao Brasil — Foto: Arquivo pessoal

Vitão é de Jacarezinho, no norte pioneiro do Paraná, por isso, a família viajou até São Paulo para recebê-lo no aeroporto. Veja o vídeo acima.

Segundo o pai do jogador, Claudinei Matos, a chegada deles trouxe alívio para toda família, que aguardava com preocupação notícias sobre os três durante a semana de guerra.

“Foi difícil, acompanhei todos os dias, eu, o irmão, a mãe, não foi fácil. Agora, graças a Deus está tudo certinho, chegaram bem. Espero que passe essa guerra o mais rápido possível”, disse o pai.
  • Áudio: Ucraniana que morou no Brasil relata situação em Kiev: ‘Fomos testemunhas’
  • Brasileiros na Polônia criam grupo para buscar pessoas que querem sair da Ucrânia

Em uma rede social, Vitão agradeceu por ter conseguido sair da Ucrânia com a família e relatou o medo que teve nesse período.

“Não consigo descrever tudo que passamos. Só quem viveu realmente sabe o que estou falando. Ficar em uma sala, dormindo no chão, com um filho de três meses e uma guerra acontecendo do lado de fora. […] Uma coisa que não deixei acabar foi minha esperança, minha fé, minha crença”, escreveu.

Jogador do Paraná estava na Ucrânia — Foto: RPC

Jogador do Paraná estava na Ucrânia — Foto: RPC

O jogador tem contrato o time local da Ucrânia e morava na capital do país.

Desde o início da guerra, Vitão e outros atletas brasileiros ficaram alojados em um hotel de Kiev.

O grupo de assessoria esportiva responsável pela carreira do jogador informou que prestou assistência até que ele pudesse chegar ao Brasil em segurança.

Por que a Rússia invadiu a Ucrânia?

Rússia x Ucrânia: entenda as alianças militares e os efetivos deslocados na região

Rússia x Ucrânia: entenda as alianças militares e os efetivos deslocados na região

Andrew Traumann, professor de Relações Internacionais, doutor em História e membro do Grupo de Estudos e Pesquisas do Oriente Médio (Gepom), explica que as tensões no leste europeu começaram ainda na década de 1990.

Para o professor, o estopim para a invasão foi a expansão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), que é uma aliança militar entre Estados Unidos e vários países da Europa, e a possibilidade da entrada da Ucrânia no grupo.

“Esse processo se acelerou muito a partir do 11 de setembro, durante o governo do presidente norte-americano George W. Bush, que estimulou essa expansão. A gente percebe como que a Rússia ficou geopoliticamente cercada. A questão da Ucrânia foi como se fosse uma linha vermelha”, explicou.

Traumann disse ainda que, na visão russa, Putin resolveu agir preventivamente, pois entende como inadmissível a entrada da Ucrânia na Otan, já que a Rússia passaria a estar cercada militarmente.

O professor também descarta a possibilidade de uma Terceira Guerra Mundial, por causa do conflito. Para ele, os países da Otan não devem entrar em combate armado contra a Rússia.

“A Otan e os Estados Unidos não vão se arriscar em uma guerra por causa da Ucrânia. O uso de armas nucleares é um grande fator de dissuasão, porque ninguém quer pagar para ver”, disse.

VÍDEO: Mais assistidos do g1 PR



Fonte: G1


02/03/2022 – Rota do Sol FM

SEGUE A @ROTADOSOLFM

(45) 3287-1475

rotadosolfm@hotmail.com
Boa Vista da Aparecida – PR
Rua Celmo Miranda, 802 – Alto da Colina

NO AR:
NATIVO E SERTANEJO