NOTÍCIAS


Julgamento de acusados pela morte de psicóloga da Penitenciária de Catanduvas é adiado


A nova data para o julgamento é 6 de junho deste ano, às 9h, no auditório da sede da Justiça Federal, em Curitiba. O sorteio dos jurados ficou marcado para o dia 18 de maio, às 13h30.

Melissa foi assassinada no dia 25 de maio de 2017, quando chegava em casa, no bairro Canadá, em Cascavel, também no oeste. A psicóloga trabalhava na unidade de Catanduvas desde 2009 e integrava uma comissão que avalia as condições psicológicas dos presos.

  • PF conclui que morte de psicóloga da Penitenciária de Catanduvas foi encomendada por facção criminosa

Conforme a Polícia Federal (PF), o assassinato foi uma vingança e uma forma de tentar intimidar o trabalho dos agentes penitenciários no sistema prisional federal.

O crime foi encomendado por uma facção criminosa, segundo a PF.

De acordo com a Justiça, a transferência da data foi necessária porque haverá um evento no auditório e no foyer do fórum no dia 4 de abril, mesmo dia em que ocorreria o júri.

Julgamento anulado em 2021

A Justiça anulou o julgamento dos acusados de matarem a psicóloga em agosto de 2021, após o Ministério Público Federal (MPF) apresentar documentos inéditos aos jurados durante os debates entre as partes.

Conforme decisão da juíza Gabriela Hardt, a decisão de dissolver o Conselho de Sentença – jurados sorteados para o julgamento – aconteceu porque os documentos não estavam anexados aos autos do processo dentro do prazo legal, como determina o artigo 479 do Código Penal.

  • Justiça anula julgamento de acusados por morte de psicóloga da Penitenciária de Catanduvas

Melissa Almeida, de 37 anos, foi assassinada no dia 25 de maio, quando chegava em casa, em um condomínio no Bairro Canadá, em Cascavel. O carro em que ela, o marido e um filho do casal estavam ficou cheio de marcas de tiros de fuzil.

O marido, que é policial civil, chegou a trocar tiros com os criminosos e ficou ferido. Um dos suspeitos também foi morto. Já a criança não foi ferida.

As investigações, que duraram seis meses, apontaram que sete pessoas participaram do crime.

Conforme a PF, o assassinato foi uma vingança e uma forma de tentar intimidar o trabalho dos agentes penitenciários no sistema prisional federal.

Além disso, ordem para o assassinato da agente foi dada de dentro da Penitenciária de Catanduvas, segundo a polícia.

  • Polícia prende terceiro suspeito de morte de psicóloga da Penitenciária de Catanduvas

Vídeos mais assistidos do g1 PR:



Fonte: G1


16/02/2022 – Rota do Sol FM

SEGUE A @ROTADOSOLFM

(45) 3287-1475

rotadosolfm@hotmail.com
Boa Vista da Aparecida – PR
Rua Celmo Miranda, 802 – Alto da Colina

NO AR:
NATIVO E SERTANEJO