NOTÍCIAS


Mulher de petista morto a tiros presta depoimento nesta terça-feira (12), em Foz do Iguaçu | Oeste e Sudoeste


Marcelo Arruda foi morto enquanto comemorava o aniversário de 50 anos em uma associação que fica na Vila A, em Foz do Iguaçu, no último fim de semana. Jorge Guaranho, apoiador do presidente Bolsonaro, foi o autor dos tiros, segundo a polícia.

  • O que se sabe sobre o assassinato de petista morto por apoiador de Bolsonaro no Paraná
  • Mulher de tesoureiro do PT que foi morto a tiros diz que família não conhecia atirador: ‘Tentamos dialogar’

A RPC apurou que o depoimento está marcado para acontecer ainda durante a manhã desta terça-feira. A delegada-chefe da Divisão de Homicídios do Paraná, Camila Cecconello, comanda a investigação.

Imagens de câmera de segurança mostram Pamela e Marcelo conversando com o atirador, por volta das 23h40 de sábado. Segundo o boletim de ocorrência, Jorge Guaranho não era convidado e não conhecia os participantes do aniversário.

Dez minutos depois, o atirador retorna ao local armado. Após descer do carro, Pamela aparece nas imagens mostrando um distintivo da Polícia Civil para Guaranho. Ainda assim ele atira várias vezes contra Marcelo.

Na segunda-feira (11), Pamela disse em entrevista ao Encontro que ela e Marcelo tentaram dialogar duas vezes com o policial penal Jorge Guaranho, mas sem sucesso.

Ainda durante a manhã desta terça, Pamela usou uma rede social para prestar uma homenagem a Marcelo Arruda. O petista foi sepultado na tarde de segunda-feira.

No texto, Pamela diz que os dois se conheceram há 10 anos. A policial também fala sobre os dois filhos que o casal tem, sendo uma menina e um bebê recém-nascido.

“Eu sinto tanto… você tinha tantos planos, tantos projetos… nós tínhamos tantos planos juntos. Em tão pouco tempo que moramos juntos foram tão intensos, a casa tem em cada pedacinho um jeito seu… tá difícil ficar aqui sem você!”, escreveu.

Pamela também escreveu que os dois tinham planejado o dia do aniversário de Marcelo e que o dia deveria ser de felicidade, já que era uma reunião com os amigos.

“Queria tanto que tempo voltasse pra mudar o resultado dessa dor… teríamos permanecidos em casa bem quietinhos para que nada pudesse acontecer. Que essa energia do ódio não tivesse nos atingido”, publicou.

Leia o texto na íntegra abaixo.

Pamela Silva postou homenagem para Marcelo Arruda — Foto: Reprodução/Facebook

Pamela Silva postou homenagem para Marcelo Arruda — Foto: Reprodução/Facebook

Câmeras de segurança registraram o momento em que o policial penal chegou de carro e parou na porta da festa. Ele fez uma manobra e virou o carro. Marcelo e a esposa saíram e houve uma discussão.

O boletim de ocorrência informa que Guaranho chegou no local de carro e que no veículo estavam também uma mulher e um bebê.

Depois de alguns segundos, Jorge foi embora. Ele voltou ao local minutos depois no mesmo carro, desceu do veículo e atirou ainda do lado de fora.

Segundo o documento, ele desceu do carro armado, gritando: “Aqui é Bolsonaro!”. De acordo com o boletim, o policial penal não era conhecido de ninguém na festa nem foi convidado.

O atirador, em seguida, entrou no salão de festas, onde disparou novamente contra Marcelo. Veja abaixo.

Vídeo mostra momento em que petista é morto em Foz do Iguaçu

Vídeo mostra momento em que petista é morto em Foz do Iguaçu

Outra câmera, instalada dentro do salão onde ocorria a festa de aniversário, registrou o momento em que o tesoureiro do PT foi baleado.

Ao ser atingido por Guaranho, Marcelo Arruda, que estava armado, revidou. Nas imagens da câmera, Marcelo aparece caindo no chão do salão.

O atirador fez então outros disparos, conforme mostra o vídeo. Em seguida, uma mulher – que, segundo a polícia, seria a esposa de Marcelo – tentou impedir que o atirador continuasse e o empurrou.

A festa de aniversário comemorava os 50 anos de Marcelo Arruda e tinha como tema o PT e o ex-presidente Lula. A comemoração era realizada na sede da Associação Esportiva Saúde Física Itaipu, na Vila A.

A Sesp-PR informou que montou uma força-tarefa para investigar o caso. Com isso, designou a delegada Camila Cecconello, chefe da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) do Paraná, para comandar as investigações.

  • Chefe da Divisão de Homicídios do Paraná vai comandar investigação de morte de tesoureiro do PT por apoiador de Bolsonaro

Uma equipe de Curitiba também foi enviada para Foz do Iguaçu para acelerar as investigações do caso.

A delegada Iane Cardoso, lotada em Foz do Iguaçu, comandou as investigações nas primeiras horas depois do crime. Entretanto, o governo do estado decidiu nomear Camila para presidir o inquérito.

Iane foi acusada pelo PT de fazer postagens contra o partido em uma rede social, em 2016. O partido informou que iria pedir a federalização das investigações.

A Sesp-PR informou que Iane continua fazendo parte das investigações e integra a força-tarefa.

Marcelo Arruda era guarda municipal há 28 anos — Foto: Arquivo pessoal

Marcelo Arruda era guarda municipal há 28 anos — Foto: Arquivo pessoal



Fonte: G1


12/07/2022 – Rota do Sol FM

SEGUE A @ROTADOSOLFM

(45) 3287-1475

rotadosolfm@hotmail.com
Boa Vista da Aparecida – PR
Rua Celmo Miranda, 802 – Alto da Colina

NO AR:
SUCESSOS DA TARDE