NOTÍCIAS


PM que matou ex em Curitiba fez TCC sobre violência doméstica: ‘Feminicídios aumentam por inércia dos órgãos’, diz trabalho | Paraná


No artigo, Dyegho analisou os atendimentos de crimes de violência doméstica na capital paranaense. Em um trecho, disse que os casos de feminicídio aumentam pela “inércia dos órgãos que deveriam atuar nesse combate”. O TCC foi apresentado para ele concluir um curso técnico em segurança pública. Veja mais abaixo.

  • Compartilhe no WhatsApp
  • Compartilhe no Telegram

O crime aconteceu na terça-feira (13), dois dias após após Franciele formalizar um Boletim de Ocorrência (B.O.) contra Dyegho por ameaça. Um dia antes do crime, em 12 de setembro, uma reavaliação interna da PM liberou o uso de arma para o policial.

Franciele Cordeiro e Silva foi assassinada por Dyegho Henrique Almeida da Silva em Curitiba — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Franciele Cordeiro e Silva foi assassinada por Dyegho Henrique Almeida da Silva em Curitiba — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Conforme a polícia, o PM atirou várias vezes contra o carro em que a vítima estava. Depois, ele entrou no veículo e impediu que equipes de socorro se aproximassem. Após cerca de quatro horas de negociação para se entregar, ele cometeu suicídio.

  • Veja a linha cronológica do caso

Nesta quarta (14), a corporação disse que, no início de 2022, o policial chegou a ficar três meses afastado por “questões psicológicas”. Afirmou, também, que ele voltou ao trabalho em abril em atividades administrativas.

Até a publicação desta reportagem, não havia informações sobre as possíveis defesas das famílias dos envolvidos.

O TCC de Dyegho foi apresentado em junho de 2021 para o curso de tecnólogo em segurança pública, desenvolvido pela Secretaria de Gestão e Ensino em Segurança Pública (SEGEN) em parceria com o Instituto Federal do Paraná (IFPR).

Ele foi aprovado com conceito B, segundo arquivo que o g1 teve acesso.

Nas considerações finais do trabalho, Dyegho disse que os casos de feminicídio aumentam frente ao que chamou de “inércia” de órgãos de controle. Disse, também, ser necessário a PM ter uma equipe “que atenda exclusivamente as vítimas de violência doméstica”.

“[…] Não basta apenas alegar que não localizou a vítima, é envidar esforços para aquela mulher que por vezes tem medo de denunciar e o vizinho que aciona a PM […] diversos casos de feminicídio ocorrem e só aumentam por uma inércia dos órgãos que deveriam atuar nesse combate”.

No mesmo trabalho, ele também afirmou que a Polícia Militar deveria “analisar os déficits no atendimento, seja no registro de ocorrência ou da equipe que se desloca até o endereço, a fim de localizar uma maneira mais efetiva de atender a sociedade”.

Câmeras flagraram ação

Câmeras flagram policial atirando contra carro em Curitiba

Câmeras flagram policial atirando contra carro em Curitiba

Câmeras de segurança registraram o momento em que o soldado atirou contra o veículo de Franciele. Assista acima.

Imagens mostram o soldado, que dirigia uma moto, parando o veículo da ex-esposa na rua Francisco Nunes, no bairro Rebouças.

  • Violência contra a mulher: saiba como pedir medida protetiva e acessar botão do pânico

Na sequência, o homem atirou várias vezes. O vídeo mostra ainda a motorista do carro dando marcha à ré para tentar fugir.

Uma outra câmera registrou o momento em que o carro bateu em um outro veículo, que vinha atrás. Em seguida, uma jovem aparece correndo pela rua. A polícia confirmou que era uma das filhas de Franciele, de 11 anos.

Franciele foi morta enquanto dirigia em rua de Curitiba — Foto: Divulgação/Redes sociais

Franciele foi morta enquanto dirigia em rua de Curitiba — Foto: Divulgação/Redes sociais

Franciele tinha 29 anos, era enfermeira e deixa três filhos, de outro relacionamento.

O sepultamento dela está marcado para quinta-feira (15), às 17h, no Cemitério Municipal Santa Cândida.

Promotora fala sobre características de casos de feminicídio



Fonte: G1


14/09/2022 – Rota do Sol FM

SEGUE A @ROTADOSOLFM

(45) 3287-1475

rotadosolfm@hotmail.com
Boa Vista da Aparecida – PR
Rua Celmo Miranda, 802 – Alto da Colina

NO AR:
ROTA SERTANEJA